Agricultura

Monocultura Agrícola: Vantagens E Desvantagens

16.04.2021
campo de monocultura agrícola

A monocultura constitui um dos aspectos mais discutíveis na agricultura. A crescente população atual e, por conseguinte, da demanda de alimentos faz da agricultura de monocultura a solução mais simples para resolver estes problemas. Porém, como as suas consequências têm uma influência no sustento das pessoas, o conceito de monocultura tem que ser analisado mais de perto, considerando suas vantagens e inconvenientes, assim como, sua alternativa mais importante, a policultura. Todas estas questões serão examinadas assim como exemplos práticos como no caso do Brasil, onde a monocultura tem um papel importante no desenvolvimento do país e a monocultura representa uma parte essencial dela.

O Que É a Monocultura?

Na agricultura, a monocultura é uma técnica que se baseia no cultivo de apenas um tipo de cultura ao mesmo tempo num campo específico. Para isso, é necessário a preparação prévia da terra. Primeiramente, é preciso retirar toda a cobertura vegetal. Depois, o solo é preparado para plantio e um único produto é cultivado na mesma área. A escolha do produto depende do mercado internacional. Além disso, é preciso um grande uso de agrotóxicos. Por isso, esta prática provoca inúmeros impactos ambientais.

A diferença entre monocultura e policultura é que esta última pressupõe que um campo é semeado com duas ou mais culturas ao mesmo tempo. É de notar que o conceito de monocultura também se aplica aos animais de fazenda: consiste na criação de apenas uma espécie de animais, sejam vacas leiteiras, ovelhas, porcos, galinhas, etc.

Quando se fala de monocultura, é importante notar que mesmo que uma cultura diferente seja plantada todos os anos numa determinada parcela de terreno, o conceito de cultivar uma única cultura num campo ao mesmo tempo é ainda referido como “monocultura”.

Tendo delineado a noção de monocultura, vamos ver quais são as principais vantagens e desvantagens da monocultura.

plantio de monocultura

Preparando o Campo Para o Crescimento da Monocultura

O crescimento da monocultura envolve diferentes passos. Para começar, a cobertura vegetal que vai se destinar para o cultivo tem que ser retirada. Depois, o solo é preparado através de estratégias tais como aração ou gradagem. A primeira está baseada na inversão das camadas do solo enquanto a segunda é a etapa de preparação do solo para o cultivo depois da aração que se baseia em romper os torrões para assim o solo ficar mais uniforme. Uma vez que o solo esteja pronto, uma espécie ou criação é escolhida. Assim, um único produto será cultivado ou criado de maneira reiterada numa mesma área.

Vantagens da Monocultura

Aumento da Produtividade e Eficiência

A monocultura maximiza a utilização eficiente do solo e as condições climáticas locais. Na maioria dos casos, os agricultores selecionam a cultura que melhor se desenvolverá no ambiente local. Os efeitos positivos da monocultura são frequentemente vistos com culturas como o arroz (cultivado em condições semelhantes às das zonas húmidas) e o trigo (que é cultivado em zonas planas com muita luz solar). As plantas que podem resistir ou prosperar em condições climáticas específicas (por exemplo, seca, ventos ou temperaturas médias mais frias) tornam-se o ponto focal do sistema de monocultura. Em contraste, um agricultor tradicional preocupa-se com a variedade de culturas e implementa um programa complexo de plantação, manutenção e colheita para maximizar a produção de diferentes culturas. Apesar deste esforço acrescido, a produtividade e eficiência da monocultura é normalmente mais elevada.

Abrir Espaço para as Novas Tecnologias

Ao cultivar monocultura, os agricultores têm tempo extra e recursos financeiros adicionais para se referirem às novas tecnologias na agricultura, ajudando-os a maximizar o seu desempenho agrícola. Entre as mais recentes soluções encontram-se drones, sensores terrestres e dados derivados de satélite. Uma das tecnologias mais inovadoras e abrangentes nesta matéria são ferramentas de satélite que são utilizadas para um monitoramento complexo dos campos e a gestão de todas as fases da sementeira e cultivo de culturas neles. Um exemplo brilhante é EOS Crop Monitoring, uma ferramenta de alto desempenho que assiste os agricultores nas suas atividades diárias, tanto em grandes como pequenas terras agrícolas em qualquer lugar do globo.

EOS Crop Monitoring

Ferramenta de análise de campos com acesso a imagens de satélite de alta resolução para identificação remota de áreas problemáticas!

aumento do rendimento da safra com monocultura

Produção Especializada

A monocultura industrial permite aos agricultores que se especializem numa determinada cultura, uma vez que normalmente lidam com as mesmas questões e problemas que podem surgir no processo de cultivo. A vantagem de tal especialização é que aumenta os lucros e reduz os custos, dado que não são necessárias máquinas adicionais ou outros recursos, exceto os necessários para trabalhar com este tipo específico de cultura. Além disso, quando uma única cultura é cultivada num campo, é mais fácil conduzir um monitoramento por satélite da sua saúde e desenvolvimento. Esta abordagem no Crop Monitoring baseia-se em 5 índices principais (NDVI, MSAVI, NDRE, ReCl); cada um deles é mais aplicável para uma fase particular do desenvolvimento da cultura. Além disso, estes índices de vegetação correlacionam-se com as etapas de desenvolvimento da Crop Monitoring, que é específica para cada cultura.

Índice NDVI que representa vegetação insalubre

Aumento do Rendimento

Alguns tipos de culturas, como por exemplo os cereais, são considerados como tendo um melhor rendimento quando semeados e cultivados como monocultura, ou seja, sem outras culturas adjacentes num campo. Contudo, tal aumento do rendimento com a plantação de monocultura só pode ser alcançado na condição de rotação anual de pelo menos duas culturas diferentes nas terras agrícolas em questão. A este respeito, com o EOS Crop Monitoring, os agricultores podem gerar mapas de produtividade para identificar as parcelas de campo com melhor desempenho. Tais mapas de produtividade permitem aos agricultores plantar as suas sementes com maior precisão, o que resultará potencialmente em um maior rendimento.

aumento potencial de rendimento com mapeamento de produtividade de campo

Maior Facilidade de Gestão

Outro dos pontos positivos da monocultura é que o cultivo de monocultura é mais fácil em comparação com o cultivo de policultura. Esta relativa simplicidade na monocultura explica-se pelo fato de que o cultivo de apenas um tipo de cultura exige menos esforços, conhecimentos e recursos do que o cultivo de vários tipos de plantas. Por exemplo, a monocultura requer menos maquinaria para a preparação ou colheita do solo, enquanto que o cultivo de várias culturas de uma só vez requer diferentes tipos de máquinas. O mesmo se aplica à irrigação e ao controle de pragas.

colheita de campo de monocultura de trigo

Maior Rendimento

Ao cultivar plantas de monocultura, os agricultores beneficiam geralmente de maiores benefícios. Por exemplo, o cultivo de um único tipo de cultura melhor adaptada ao desenvolvimento em condições climáticas específicas, permite ao agricultor obter um melhor rendimento e, portanto, um rendimento mais elevado.

Desvantagens da monocultura

Gestão de Pragas

Os agricultores que praticam a monocultura enfrentam mais dificuldades em termos de luta contra as infestações de pragas no seu campo. As pragas são mais prolíficas nas terras agrícolas tendo apenas um único tipo de cultura ano após ano. Como as parasitas têm o seu tipo de alimento favorito num só lugar durante um longo período de tempo e, em consequência, reproduzem-se mais eficientemente. Além disso, no contexto da proteção contra parasitas do campo, a plantação de monocultura carece de algum aspecto importante do qual a policultura pode exibir – diversidade genética das plantas. A policultura, por exemplo, pode proporcionar alguns tipos de plantas no campo que repelem as pragas. Tais plantas servem assim como barreira natural ao desenvolvimento de infestações por pragas em terras agrícolas.

Maior Utilização de Pesticidas

O cultivo de monocultura é mais susceptível de ser afetado por pragas, uma vez que estas ameaças podem mover-se mais rapidamente através da área devido à sua reduzida biodiversidade. Em resposta, os agricultores aplicam maiores quantidades de pesticidas e herbicidas para proteger a cultura. Estes produtos químicos infiltram-se no solo, contaminando ele e as águas subterrâneas. Além disso, a monocultura tende a intensificar ainda mais o uso de pesticidas, uma vez que alguns tipos de pragas sobrevivem ao uso de produtos químicos, desenvolvendo resistência aos mesmos. Mais tarde, estas parasitas passam esta imunidade aos seus descendentes que, por sua vez, vão proliferar ainda mais no terreno, dado que a sua principal fonte de alimento continua a permanecer num único lugar.

Degradação do Solo e Perda de Fertilidade

Outro dos problemas causados pela monocultura agrícola é a perturbação do equilíbrio natural dos solos. As consequências da monocultura para o solo são fáceis de compreender, demasiadas espécies da mesma planta numa área de campo roubam ao solo os seus nutrientes, resultando na diminuição das variedades de bactérias e microorganismos necessários para manter a fertilidade. A produção de uma única espécie vegetal numa grande área tem também um efeito negativo sobre a estrutura do solo subjacente. Uma espécie de cultura significa que apenas um tipo de raiz estará disponível para reter a umidade e evitar a erosão do solo, trabalho que tipicamente requer múltiplos tipos de raízes.

solo nu ameaçado pela erosão

Maior Utilização de Fertilizantes

O uso intensivo de fertilizantes em campos de monocultura está intimamente ligado ao ponto anterior. Como o cultivo de um tipo de planta no mesmo terreno agrícola esgota o solo, privando-o da biodiversidade, os agricultores tendem a aumentar artificialmente a fertilidade dos seus campos através da aplicação de fertilizantes químicos. A utilização de tais nutrientes artificiais tem um impacto negativo na composição natural do solo e, por conseguinte, tem um efeito devastador no ecossistema em geral. Além disso, é de notar que quanto mais tempo uma fazenda de monocultura cultiva um único tipo de cultura nas mesmas parcelas de campo, mais fertilizantes químicos têm que utilizar, uma vez que de ano para ano tais terras se desgastam e se esgotam de forma progressiva.

Maior Utilização da Água

Se houver apenas um tipo de cultura num terreno, os sistemas radiculares desta espécie não são suficientes para manter a estrutura do solo em redor das plantas, o que pode levar à erosão e à perda de absorção de água. Por esta razão, o solo em redor das culturas de monocultura é frequentemente desprovido da camada significativa de solo superficial, o que causa desequilíbrio na retenção de água em tais terras agrícolas. A fim de combater esta perda de água, os agricultores têm que utilizar maiores quantidades deste importante recurso. Uma tal necessidade crescente de água significa que as fontes locais, tais como lagos, rios e reservatórios, são demasiado utilizadas para satisfazer a exigência imediata. Este esgotamento tem consequências negativas adicionais para os ecossistemas destas fontes de água.

uso de água no campo

Diminuição da Biodiversidade

O aspecto chave da natureza é a sua diversidade biológica e o sector agrícola não é exceção a isto. Quanto mais variadas forem as espécies biológicas presentes numa determinada área, mais forte e mais rico é o ecossistema desta área. Um dos principais problemas da agricultura de monocultura é a eliminação da diversidade biológica. A variedade suficiente de plantas, animais e insetos específicos num determinado ambiente ajuda a controlar a proliferação excessiva de pragas, doenças das plantas e outras manifestações negativas causadas pela perturbação do equilíbrio natural dos solos nas áreas de monocultura.

Impacto Sobre os Polinizadores

As consequências da monocultura tem também um efeito negativo em participantes tão importantes do ciclo reprodutivo natural como as abelhas e outros polinizadores. O uso crescente de pesticidas, herbicidas e outras substâncias químicas na monocultura, que são chamados a manter o crescimento das culturas e a fertilidade dos solos “empobrecidos”, prejudica a saúde dos insetos polinizadores e frequentemente os mata. Além disso, no caso de um sistema de monocultura, há muitos campos de monocultura que se estendem por quilómetros e quilómetros em todas as direções. Em tal situação, os polinizadores vêem-se confrontados com um território alimentar homogéneo e sofrem de deficiências devido à pouca diversidade da sua dieta alimentar.

Além disso, tal falta de biodiversidade no habitat natural das abelhas e outros polinizadores, resulta na falta de algumas bactérias benéficas para a sua saúde, nomeadamente Bifidobacterium ou Lactobacillus. Inclusive, a falta dos microorganismos necessários causa uma deterioração muito mais rápida dos alimentos nas colmeias, o que por sua vez leva à escassez de alimentos para as abelhas e enfraquece adicionalmente o sistema imunitário destes preciosos insetos.

polinizadores que sofrem com produtos químicos

Quando concentrado apenas no cultivo de monocultura, um agricultor põe em jogo todas as colheitas potenciais da terra em questão e a razão para tal é bastante simples. Imagine que algo dê errado durante o desenvolvimento das culturas (seca excepcional, chuvas intensas, infestações de pragas, etc.), não haverá oportunidade de que algumas culturas sobrevivam demonstrando ser mais resistentes do que outras, já que simplesmente não existem outras culturas. Assim, a monocultura pode perder de uma só vez toda a sua colheita e, portanto, os seus rendimentos durante toda a estação, o que é bastante arriscado para os agricultores do ponto de vista económico.

Impactos Ambientais da Monocultura

Na maioria das práticas agrícolas de subsistência, as culturas são cultivadas e colhidas para alimentar uma família ou comunidade local. Na agricultura de monocultura, a cultura é produzida para fins comerciais, o que dá um aspecto exploratório a todo o processo de utilização de terras agrícolas para o cultivo de monocultura. Os agricultores utilizam frequentemente práticas não convencionais também com a sua monocultura agrícola.

Uma vez colhida a colheita, esta será transportada a longas distâncias para um grande número de destinos. Em muitos casos, estes destinos são internacionais, o que aumenta substancialmente o número de quilómetros de transporte. Esta forma de transporte (terrestre ou marítimo) depende fortemente de combustíveis fósseis, tais como petróleo e gás, que se encontram entre os principais contribuintes para a poluição ambiental quando queimados. A utilização de combustíveis fósseis é também considerada uma das principais causas do efeito estufa na atmosfera que tem estado ligada às alterações climáticas globais devido às atividades agrícolas no planeta. É por isso que a monocultura pode considerar-se como geradora de impactos ambientais.

Monocultura no Brasil

A agricultura no Brasil tem um papel importante no desenvolvimento do país e a monocultura representa uma parte essencial dela. No século XVI, destaca-se a monocultura de cana-de-açúcar especialmente em São Paulo, Minas Gerais e na região da Zona da Mata. Essa monocultura era destinada à exportação para os países europeus.

A Revolução Verde contribuiu com a implantação de novas técnicas agrícolas e sementes, com o fim de melhorar a produção agrícola e aumentar a produção de alimentos através da monocultura. Deste modo, a indústria passou a produzir em larga escala um único produto destinado ao comércio exterior.

Monocultura do Café no Brasil

Por muito tempo, o café foi o produto agrícola mais relevante na produção agrícola, tornando-se o produto de exportação predominante da economia do país no começo do século XX. Os estados do Rio de Janeiro e São Paulo eram os principais lugares de cultivo. A monocultura do café dependia do trabalho dos escravos que trabalhavam em péssimas condições em grandes latifúndios.

Monocultura da Soja no Brasil

Hoje em dia, a soja constitui o produto de exportação primordial do país. No entanto, é o segundo maior produtor depois dos EUA. De fato, a estimativa de produção de soja foi revisada de 33.673 milhões até 134.953 milhões de toneladas, alcançando um novo recorde na colheita 2020/2021.

Monocultura de Cana-de-açúcar no Brasil

A monocultura de cana-de-açúcar no Brasil começou no século XVI, principalmente no Nordeste do país devido às condições climáticas favoráveis e das características do solo. Constitui o pilar econômico do país por muito tempo, fundamentalmente focado na exportação.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), 642,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar foram produzidas no país durante a temporada 2019-2020, em uma área de colheita de 8,44 milhões de hectares. É a região Centro-Sul a responsável de 92% da produção local, com mais de 589 milhões de toneladas, enquanto o Norte e Nordeste geram 52,8 milhões de toneladas, o correspondente a 8% da produção.

Além de produzir mais da metade do açúcar utilizado no mundo inteiro atualmente, o Brasil é conhecido como o principal produtor de etanol, um subproduto da cana-de-açúcar como o bagaço usado na produção de energia (biomassa), produtos alimentícios, farmacêuticos, e da indústria química.

A maioria das usinas de processamento de cana-de-açúcar se reúnem especificamente na região Sudeste do país. Porém, a monocultura de cana-de-açúcar tem se expandido para a região Centro-Oeste, representando quase um 3% do total de terras agricultáveis.

Redução dos Efeitos da Monocultura Agrícola

Em geral, os impactos da agricultura de monocultura dependem da sua intensidade. Por intensidade entende-se aqui a extensão do período de tempo durante o qual a mesma cultura é cultivada numa parcela de terra específica. Se, por exemplo, uma cultura de monocultura é cultivada na mesma terra agrícola ano após ano sem alterações, é considerada como a pior forma desta prática agrícola que tem o maior impacto no solo e no ecossistema circundante. Este método agrícola é também chamado monocultura extensiva.

Vamos ver agora quais são as soluções para evitar ou diminuir os problemas causados pela monocultura sobre o ambiente.

Implementação da Rotação de Culturas

A alternância de diferentes tipos de culturas num determinado campo pode ajudar substancialmente a evitar alguns impactos negativos importantes da monocultura nos solos. A rotação anual das culturas, por exemplo, interrompe os ciclos de pragas e contribui para manter o solo num estado mais equilibrado em termos da sua composição. Existem muitos tipos de esquemas de rotação de culturas e a maioria das explorações agrícolas opta pelos que melhor se adaptam às suas condições ambientais locais.

uso de rotação de culturas na monocultura

Uso Inteligente de Fertilizantes

As atuais abordagens à aplicação de fertilizantes químicos nos campos, e em particular na monocultura, devem mudar, uma vez que a utilização de tais substâncias é muito prejudicial para os ecossistemas. Com as tecnologias atuais, tal mudança tornou-se agora possível, e os fertilizantes podem ser utilizados de uma forma muito mais inteligente, uma vez que já não há necessidade de aplicar a mesma quantidade de fertilizante em cada acre. Crop Monitoring tem uma característica de zoneamento que permite a aplicação eficaz de fertilizantes apenas nas áreas onde são realmente necessários. É possível devido ao monitoramento do campo por satélite e à criação de um mapa de vegetação que mostra quão bem ou mal as plantas estão desenvolvendo-se.

Uso Moderado de Herbicidas e Pesticidas

Dado que o uso crescente de pesticidas e herbicidas artificiais não só prejudica os ecossistemas, mas também tem um impacto negativo nos interesses dos próprios agricultores (a qualidade dos solos torna-se pior, o que resulta numa colheita mais pobre), devem ser tomadas algumas medidas contrárias a este respeito. Os efeitos negativos do uso excessivo destas substâncias artificiais na monocultura agrícola podem ser significativamente diminuídos pela sua aplicação muito mais moderada ou mesmo pela mudança para herbicidas e pesticidas orgânicos. Os efeitos positivos da mudança de abordagem da utilização destas substâncias na agricultura de monocultura podem ser intensificados pela rotação de culturas, uma vez que contribui para a proteção natural das culturas contra pragas e doenças.

Uso Mais Eficiente da Água

A utilização eficiente de um recurso natural tão importante como a água é uma das questões cruciais no sector agrícola, especialmente na agricultura de monocultura. A solução aqui seria cultivar culturas perto das massas de água para diminuir a utilização das águas subterrâneas e diminuir o escoamento da água absorvida pelo solo (ou seja, para garantir que esta permaneça mais tempo no solo). Esta diminuição pode ser conseguida principalmente optando pela plantação de monoculturas rotativas em vez da monocultura.

irrigação de campo com precisão

Alternativas da Monocultura

Apesar de alguns benefícios da monocultura para a agricultura industrial, as desvantagens ambientais deste método de agricultura a longo prazo superam os seus aspectos positivos. É por isso que é importante avançar para abordagens e práticas agrícolas mais inteligentes. Embora possa parecer óbvio, vale a pena mencionar que a melhor alternativa à monocultura é um sistema de policultura, ou seja, a alternância constante de diferentes tipos de culturas em determinadas terras agrícolas.

A diferença entre monocultura e policultura é que a policultura ajuda as diferentes espécies de culturas a se complementarem umas às outras e a utilizarem melhor os nutrientes do solo. Um exemplo de abandono da monocultura na União Europeia é a iniciativa “greening” ou “pagamento verde”, que consiste em fornecer um subsídio anual aos agricultores que incorporam abordagens e métodos de cultivo amigos do planeta. Esperemos que tais iniciativas positivas, tanto das autoridades oficiais como dos próprios agricultores, apenas se multipliquem e conduzam a mudanças positivas tangíveis no setor agrícola em todo o planeta.