Agricultura

Manejo Integrado De Pragas: Como Proteger Os Cultivos

22.02.2021

As pragas são um grande risco que estraga os cultivos e reduz a produção, tornando os esforços dos agricultores em uma perda de tempo e recursos. Por este motivo, seu controle é uma tarefa fundamental e a abordagem útil deste problema é o MIP – manejo integrado de pragas. Através da implantação e acompanhamento de programas de manejo integrado de pragas, os agricultores podem tratar a área de campo afetada de uma maneira oportuna e com um tratamento que resolva o problema mas não tenha consequências em outros fatores da produção. Existem vários métodos de manejo integrado de pragas, porém, do Crop Monitoring, oferecemos um plano para um manejo integrado eficiente.

O Que É MIP (Manejo Integrado De Pragas)

Conceito E Objetivos

MIP significa manejo integrado de pragas que combina várias ferramentas e métodos. O conceito de manejo integrado de pragas pode ser definido como certas medidas para eliminar, matar ou preveni-las nas áreas agrícolas com um mínimo dano na natureza, pessoas e plantas protegidas.

O termo ‘pragas’ não se refere só a animais ou os próprios insetos, mas também a ervas daninhas e enfermidades. Seu dano tem um forte impacto na produção e, às vezes, as plântulas podem ser destruídas completamente. Elas atacam as plantas de toda parte: roedores e nemátodos estragam as raízes na terra, caracóis e larvas destroem as folhas e os pequenos frutos do solo, e os pássaros comem todos os frutos e sementes atacando do ar. Esta lista não estaria completa sem os fungos, vírus e bactérias e outros parasitas, para mencionar alguns.

bandeira de Manejo integrado de pragas (MIP)

A classificação dos pesticidas inclui múltiplos grupos de organismos indesejados que estragam cultivos, com um certo tipo de pesticida para cada um deles: herbicidas, rodenticidas, inseticidas, repelentes de animais, avicidas, nematicidas, larvicidas, bactericidas, fungicidas, substâncias antimicrobianas, etc.

Princípios

Os princípios do manejo integrado de pragas são os seguintes:

  • Identificação do problema: é fundamental saber identificá-las corretamente e conhecer as fases de desenvolvimento das pragas chave.
  • Monitoramento constante: é preciso monitorar periodicamente a lavoura através da batida de pano, inspecionando toda a planta. Para isso é essencial a correta formação do pessoal na propriedade.
  • Condições ambientais: é preciso conhecer a fenologia, nutrição, estresse da planta assim como a influência destas condições na presença delas.
  • Nível de Controle (NC): é necessário conhecer o nível de ação para as pragas que incidem em cada safra. NC é a densidade de uma praga ou patógeno na qual as medidas de controle devem ser tomadas para não causar prejuízos econômicos.

Benefícios

O conjunto de técnicas do manejo integrado de pragas contribui para o equilíbrio ecológico, que ajuda a aumentar a resistência biótica e evita o surgimento de novas pragas. Alguns dos benefícios do manejo integrado de pragas é a manutenção do ambiente de produção e a redução das chances de contaminação ambiental.

Ao realizar uma programação baseada no monitoramento e na análise de dados, pode-se reduzir o número de aplicações e minimizar estragos. Isso contribui também com a saúde dos trabalhadores, reduzindo sua exposição a este produtos. Além disso, os agricultores que decidem fazer uso das técnicas do manejo integrado de pragas economizam bastante, já que gastam bem menos com defensivos agrícolas.

manejo integrado de pragas com maquinário agrícola

Outra vantagem é o baixo investimento da implantação e acompanhamento de programas de manejo integrado de pragas em qualquer tamanho de plantação, desde que tenha profissionais capacitados.

Métodos De Manejo Integrado De Pragas

O dano devido à aplicação dos produtos químicos agrícolas explica o porquê do que seja o último passo dos agricultores no manejo integrado quando todos os outros não foram ineficientes.

abordagens para o manejo integrado de pragas

A ciência do manejo integrado de pesticidas resume os seguintes métodos:

Controle Biológico

Controle biológico implica a maneira típica de destruir pragas como acontece na natureza. Os predadores matam suas presas que estragam os cultivos, por exemplo, as joaninhas reduzem o número de pulgões. Este método de manejo inegrado também inclui parasitóides, patógenos e herbívoros. É implementado através do aumento da população de predadores no seu habitat primário ou da importação de espécies benéficas de outras regiões. Neste contexto, a exploração das propriedades alelopáticas e de eliminação de pragas são úteis também.

Com todas as vantagens óbvias, o controle biológico no manejo integrado de pragas tem também as suas falhas:

  • os predadores “estrangeiros” podem não lidar com a tarefa;
  • os animais introduzidos tornam-se eles próprios pestes com o tempo se não houver inimigos naturais para controlar a sua população no novo ambiente;
  • a redução de certas espécies pode dar origem a invasões secundárias.

Um exemplo famoso do erro na cadeia alimentar é a importação de coelhos na Austrália. Com o tempo, sua população tornou-se um verdadeiro incômodo para os agricultores junto com cangurus e dingos. O sapo-cururu é outro caso ilustrativo do fracasso do controle biológico neste aspecto, já que não caçou sua espécie objetivo, tornando-se uma praga mesmo.

inseto em uma folha

No entanto, a história da agronomia também testemunha resultados eficientes. O número de coelhos selvagens foi significativamente reduzido com o vírus mixomatose dos mosquitos, desde que as áreas fossem abundantes neles. Nas regiões com falta de mosquitos, a ideia foi implementada com um vírus transmitido por pulgas.

O manejo avançado e integrado de pragas utiliza soluções inovadoras. Assim, a companhia israelense BioBee erradica com sucesso a mosca-das-frutas do Mediterráneo com a tecnologia de esterilização de insetos. Ela neutraliza os machos e os liberta na natureza. Seu acasalamento com fêmeas férteis selvagens não resulta em prole. Esta solução de manejo integrado é extremamente útil para os proprietários de pomares e vinhedos em Israel.

Os biopesticidas são repelentes naturais que contêm extractos de plantas ou azeites. Um remédio clássico para combater as mariposas é o cheiro da lavanda.

EOS CROP MONITORING

Ferramenta de análise de campos com acesso a imagens de satélite de alta resolução para identificação remota de áreas problemáticas!

Controle Físico E Mecânico

No manejo integrado de pragas, o controle físico/mecánico envolve:

  • Lavoura para destruir ervas daninhas ou ovos/larvas;
  • Cobertura para eliminar o crescimento de ervas daninhas com a ausência de luz solar.
  • Eliminação/retirada física;
  • Solos fumegantes para matar bacterias patógenas que causam enfermidades nas plantas;
  • Construção de proteções contra pássaros e insetos;
  • Construção de cercas ao redor de campos ou colocação de armadilhas como barreiras naturais contra animais selvagens;
  • Colocação de espantalho nos campos.

Apesar destas soluções de manejo trazerem algumas vezes resultados frutíferos, elas são custosas. No caso da Austrália, inclusive a cerca mais alta não poderia impedir os cangurus saltarem 3 metros de altura. Portanto, nem sempre são úteis também.

inseto em uma flor amarela

Controle Cultural

Outra técnica de manejo integrado de pragas é o controle cultural que utiliza:

  • Rotação de culturas quando as safras alternativas não são próprias para pragas que estragam outros grupos de plantas. Por exemplo, os roedores ameaçam a produção de cereais, as aves e os caracóis danificam os morangos, os escaravelhos da batata atacam as batatas, os tomates e as beringelas. Se o habitat não for aceitável e não houver nutrientes preferidos, elas vão partir para lugares mais lucrativos.
  • Mudanças na irrigação: uma saturação excessiva de água provoca enfermidades nas raízes.
  • Conservação/quarentena das plantas quando uma safra é isolada até ela estar suficientemente madura para resistir às ameaças.

Controle Químico

O controle químico no manejo integrado de pragas implica o uso de pesticidas quando os métodos acima mencionados não conseguem combater eficazmente a invasão ou quando sua implementação é impossível devido a certas circunstâncias. É importante:

  • Minimizar o dano para os organismos não visados (humanos, animais e safras);
  • Assegurar o efeito duradouro sem desenvolver resistência aos pesticidas;
  • Tratar só as áreas problemáticas, não o campo todo.

fazendeiro usando pesticidas no campo

Por Que Os Produtos Químicos De Proteção De Safras São Perigosos?

A característica principal na definição de pesticida é que ele é um remédio químico no manejo integrado de pragas. A aplicação de produtos químicos para matar pragas é um manejo comum em muitos países. No entanto, há várias razões pelas quais a agricultura orgânica e os princípios de agricultura sustentável recomendam a sua restrição:

  • Poluição ambiental (solo, ar, água): os pesticidas requerem tempo para dividir-se em componentes menos agressivos, e alguns deles tendem a acumular-se. Estes químicos são lavados com chuvas, transferidos para as águas subterrâneas, evaporam-se da superfície do solo e entram na atmosfera quando são pulverizados com veículos aéreos tripulados e não tripulados.
  • Danos para os seres humanos: os compostos químicos prejudiciais induzem problemas de saúde nas pessoas.
  • Perigo para os animais: os pesticidas matam espécies não visadas (benéficas ou inofensivas) que moram nos campos ou pomares.
  • Efeito acidental no produto final: o uso excessivo queima as folhas e raízes, causa enfraquecimento das plantas, e as safras tendem a armazenar quantidades perigosas de pesticidas, prejudicial para os consumidores.
  • Resistência das pragas: desenvolvem resistência quando as substâncias são aplicadas continuamente. Isto requer uma dosagem maior e novos tipos de pesticidas. O cenário é pior quando elas experimentam o sabor do veneno e preferem ele mais do que sua fonte habitual de nutrição, além das expectativas dos cientistas.

O ecossistema muda quando um elemento da cadeia alimentar é destruído.

Crop Monitoring Tem Um Plano Para Um Manejo Eficiente De Pragas

Um plano de manejo integrado de pragas inclui vários passos básicos comunes para cada situação:

  1. Examinar a área para verificar sua presença e determinar qual das seguintes não é um sinal de uma possível infestação: espécies, números, terrenos infestados, volume de dano.
  2. Identificação de autorizações de risco para tomar medidas adequadas para erradicar as perigosas, combinando diferentes métodos e eliminando as consequências do controle químico no manejo integrado de pragas.
  3. Avaliações de resultados que permitam fazer conclusões para compreender se o tratamento foi eficiente ou não.
  4. Prevenção de infestação no futuro reduzirá custos e recursos para o tratamento adequado.

como aplicar manejo integrado de pragas com software Crop Monitoring

Como ele funciona com Crop Monitoring?

  • A plataforma monitora seus campos em tempo real com imagens de satélite e fornece tabelas de índice de vegetação.
  • Os índices de vegetação alterados assinalam um problema. Em particular, quando o índice NDVI cair, há uma grande probabilidade que seja devido a um alto número de pragas.
  • O sistema é capaz de definir uma tarefa de escotismo para examinar o terreno de maneira mais precisa e com um aplicativo confirmar o problema. Ele imediatamente notifica sobre a necessidade do manejo integrado de pragas, permitindo que você tome uma decisão a tempo para tratar seus cultivos e salvar a produção.
  • A especificação das áreas infestadas e a aplicação diferencial dos produtos de proteção de plantas minimiza o dano para os seres humanos e a natureza já que os produtos químicos são só utilizados quando for necessário.

Assim, você está consciente do problema quando ele surgir. Uma avaliação antecipada lhe permite abordar o problema rapidamente e resolvê-lo com o máximo sucesso.